menu

Topo
Blog do Dan Josua

Blog do Dan Josua

Histórico

Todos nós temos pensamentos horríveis, a questão é como lidar com eles

Dan Josua

17/01/2019 04h00

Crédito: iStock

Cerca de 64% das mulheres já pensaram em lançar o carro para fora da estrada. E 29% dos homens já pensaram em se jogar na frente de um trem que está chegando na estação. Metade deles já se imaginou agredindo um familiar e mais de metade das mulheres já tiveram vontade de insultar os seus parentes. Aproximadamente um em cada dois homens já foi invadido pela ideia de relações sexuais inaceitáveis — por exemplo, com o pai ou com a mãe. Assim como quase dois terços das mulheres já se imaginaram fazendo sexo com uma figura de autoridade. 

É mais do que a gente imaginava. 

A mente humana —  esse macaco doido pulando de galho em galho — vai com maior frequência do que imaginamos para os lugares mais bizarros. E, não, essas estatísticas não são inventadas. Nem representam os pensamentos de loucos em um hospício qualquer. Elas mostram o que já passou pela cabeça do americano comum, sem qualquer transtorno psiquiátrico. 

A maior parte de nós consegue simplesmente deixar esses pensamentos de lado. Damos uma tremelicada na hora, sacudimos os ombros, murmuramos um "nossa, que louco!" e seguimos o nosso dia. Em outras palavras, não ficamos obcecados com esses pensamentos e com seus possíveis significados. Simplesmente, nós os deixamos morrer. 

Para alguns indivíduos, entretanto, a presença de pensamentos assim ativa uma série acusações a si próprios: "Que tipo de pessoa pensa uma coisa terrível dessas? Eu devo ser muito ruim ou nojento por pensar uma coisa dessas. Eu não estou com o controle da minha mente e isso pode ser perigoso". 

Assim, uma tarefa impossível se inicia: a tentativa de impedir que pensamentos dessa natureza voltem à tona. A vigilância, acredita essa gente, precisa ser completa. É necessário ter a certeza absoluta de que essas imagens foram expurgadas da mente. 

Mas aviso: isso, infelizmente, é impossível. Faça um experimento: tente não pensar em um elefante de saia rosa. Conseguiu não pensar em um elefante de saia rosa? Verifique bem se você não está pensando nesse elefante, ok? Esse exercício bobo nos lembra que é impossível evitar pensar em algo pois, para sabermos no que não pensar, precisamos justamente imaginar esse algo. Portanto, tentar suprimir um pensamento apenas faz com que ele venha com mais força, mais insistente e mais desagradável.

A pessoa que se proíbe de pensar sobre algo se vê, cada vez mais, presa em estratégias que vão falhar e podem deixá-la bem desesperada. Pode começar a beber ou a usar drogas, por exemplo. Pode começar a fugir de todos os lugares que, de alguma forma, trazem esse pensamento à tona. Pode se trancar no quarto ou bolar algum ritual capaz de perdoá-la desse "deslize".

Aos poucos, a liberdade vai desaparecendo. Um pouco mais da existência vai embora. A pessoa se afasta um pouco mais do que pode fazer da vida uma experiência maravilhosa. 

A solução, paradoxal,  não é deixar de pensar essas coisas horríveis, mas topar pensar. E pensar mais um pouco. Até o momento em que esses pensamentos voltem a ser apenas isso: imagens absurdas de um macaco doido pulando de galho em galho. Que não precisam ser levadas tão a sério, para que a vida possa voltar ao primeiro plano.

PARA SABER MAIS

Para ver a lista completa de pensamentos na população, leia: Purdon, C., & Clark, D. A. (1993). Obsessive intrusive thoughts in nonclinical subjects. Part I. Content and relation with depressive, anxious and obsessional symptoms. Behaviour Research and Therapy, 31(8), 713-720.

Sobre o autor

Dan Josua é psicólogo, mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Fez especialização em Terapia Comportamental e Cognitiva pela USP (Universidade de São Paulo) e tem formação em Terapia Comportamental Dialética pelo Behavioral Tech / The Linehan Institute, nos Estados Unidos. Atua como pesquisador e professor no Paradigma - Centro de Ciências e Tecnologia do Comportamento e dá cursos pelo Brasil afora ajudando a difundir a DBT pelo país.

Sobre o blog

É muita loucura por aí. Trânsito, mudanças climáticas, tensões em relacionamentos, violência urbana, maratona de séries intermináveis, spoilers em todos os cantos, obrigação de parecer feliz nas mídias sociais, emoções à flor da pele. O blog foi criado para ser um refúgio de tudo isso. Um momento de calma para você ver como a ciência do comportamento humano pode lhe ajudar a navegar no meio de tanta bagunça.