Topo
Blog do Dan Josua

Blog do Dan Josua

Histórico

Fazer atividade física é um tratamento para depressão?

Dan Josua

28/02/2019 04h00

Crédito: iStock

As primeiras vezes em que os seus braços batem na água, eles produzem um som oco. O ritmo de sua evolução pela piscina é irregular e cansado. "Quando chegar do outro lado, eu paro", é o que se diz a cada braçada. Mas, na outra borda, quase que automaticamente, ele se empurra para o meio da piscina com os pés.  Aos poucos, vai sentindo seus pensamentos mais distantes. Seus músculos começam a arder de leve com o esforço. Uma dor estranhamente prazerosa porque ele se lembra que está vivo e que, nesse momento, seu propósito é simples: completar os próximos metros.

Enquanto se seca na beira da piscina –os músculos do peito parecendo alargados depois do esforço — a imagem do cara que não queria entrar na água parece desfeita. Ele se lembra da falta de energia, da certeza de que aquilo era uma má ideia e de que o cansaço que sentia não poderia melhorar com uma atividade tão simples quanto uma nadada. Essas memórias têm a distância característica de quem está se sentindo diferente. De repente, seguir com o seu dia não é mais tão difícil.

As linhas acima contam um final feliz para a história comum de muitos pacientes com depressão de leve a moderada. Essas depressões, que normalmente não chegam a proporções cinematográficas, trazem consigo a dor de um cansaço repetitivo. Essas pessoas em geral se mantêm suficientemente funcionais, tocando suas rotinas, mas vivem se sentindo desanimadas.  A comida, as músicas, os filmes  tudo parece perder cada vez mais o seu sabor. E, nessa marcha, acabam se afastando de todas as pequenas atividades que dão sal à vida. 

O tal final feliz frequentemente acontece quando essas pessoas quebram a barreira inicial da inércia e retomam ou até mesmo começam a prática de um exercício. Da mesma maneira como ninguém duvida que a prática regular de atividade física é fundamental para a saúde do corpo, uma série de pesquisas mostram que o mesmo vale para a saúde mental. Assim como se exercitar pode ser fundamental para controlar um colesterol alto, esse hábito é, em si mesmo, um tratamento para a depressão.

Sim, é isso mesmo: a atividade física regular pode ser considerada um tratamento para a depressão em suas faces mais leves ou moderadas. Pesquisas na área já demonstraram que o exercício fortalece nossa resiliência bioquímica para o estresse, aumenta a quantidade de novas células no cérebro e até pode contrabalancear os efeitos de alguns grupos de genes que aumentariam a  probabilidade do desenvolvimento da depressão. 

Sem contar que a depressão frequentemente é uma sensação de fracasso em relação às pressões da vida e o exercício, ao lado do cansaço físico que provoca, nos ensina a tolerar melhor a frustração. Ou, mais ainda, nos ensina a tolerar a sensação de incapacidade e, então, seguir em frente. Esse parece um treino fundamental para alguém com depressão.

Sabemos que a atividade física também altera a bioquímica do nosso cérebro. Alguns estudos com ratos, por exemplo, mostram que os antidepressivos alteram mais a química do nosso cérebro quando associados a exercícios. Ou seja, o ratinho que ao mesmo tempo se exercitava e tomava remédio era mais beneficiado pela medicação do que aquele que ficava paradão, no bem-bom. 

Outras dezenas de vantagens podem acompanhar a prática esportiva. Acabamos nos divertindo, por exemplo — pense em alguém que aprende um novo esporte. Ou nos colocamos em situações que nos aproximam de contatos sociais valorosos, como acontece com alguém aprendendo a dançar. 

Por fim, acredito que a piscina (ou a pista ou o que for) exige a nossa presença. Quando estamos correndo, não podemos nos perder no nosso pensamento. Sempre que nos distanciamos em excesso, somos convocados com um engasgo de ar a voltar nossa atenção ao momento presente. Para correr, é preciso estar apenas correndo. E mais nada. 

Essa sensação de propósito –uma finalidade simples e alcançável a cada passo — talvez seja a contribuição derradeira da atividade física à nossa saúde mental. Enquanto corremos ou praticamos qualquer outra modalidade, simplesmente vivemos, sem outros adendos. Essa simplicidade é de uma libertação surpreendente. 

Sobre o autor

Dan Josua é psicólogo, mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Fez especialização em Terapia Comportamental e Cognitiva pela USP (Universidade de São Paulo) e tem formação em Terapia Comportamental Dialética pelo Behavioral Tech / The Linehan Institute, nos Estados Unidos. Atua como pesquisador e professor no Paradigma - Centro de Ciências e Tecnologia do Comportamento e dá cursos pelo Brasil afora ajudando a difundir a DBT pelo país.

Sobre o blog

É muita loucura por aí. Trânsito, mudanças climáticas, tensões em relacionamentos, violência urbana, maratona de séries intermináveis, spoilers em todos os cantos, obrigação de parecer feliz nas mídias sociais, emoções à flor da pele. O blog foi criado para ser um refúgio de tudo isso. Um momento de calma para você ver como a ciência do comportamento humano pode lhe ajudar a navegar no meio de tanta bagunça.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Dan Josua